Novidades

Dados mostram que mulheres são mais cuidadosas no trânsito

Compartilhe:

14/05/2019 - Revista apólice

Segundo relatório da Seguradora Líder, apenas 25% das indenizações pagas em 2018 foram para acidentes envolvendo vítimas do sexo feminino
Os dados do Relatório Anual da Seguradora Líder revelam que as mulheres são mais cuidadosas no trânsito. E, para os especialistas, a maternidade incentiva ainda mais uma atitude prudente ao dirigir. Das mais de 328 mil indenizações pagas pelo Seguro DPVAT no ano passado, apenas 25% foram destinadas a acidentes envolvendo vítimas do sexo feminino. Além disso, dos motoristas indenizados em 2018, 15% eram mulheres, enquanto os homens representaram 85%. O cenário reforça o perfil mais cauteloso das mulheres na direção.

Apesar da baixa participação das mulheres em acidentes de trânsito, as jovens de 18 a 34 anos são as mais atingidas quando as colisões acontecem. A faixa etária, considerada a população economicamente ativa, concentrou 47% dos pagamentos destinados às vítimas mulheres. O segundo grupo de idade mais afetado integra as mulheres de 45 a 64 anos (22%).
Quando analisados os números por estado, Rondônia, Roraima e Mato Grosso registram os maiores índices de ocorrências no trânsito com mulheres (31% e 30%, respectivamente). Na sequência estão Rio Grande do Sul (28%), Goiás e Acre, ambos com (27%), Rio de Janeiro (26%) e Mato Grosso (25%). Apesar do Ceará representar alto índice de sinistralidade quando comparados ambos os sexos, o estado registra apenas 21% de benefícios pagos a vítimas mulheres. Os últimos lugares, no entanto, são ocupados por Pernambuco (18,6%) e Alagoas (18,7%).

Quanto às regiões brasileiras, o Centro-Oeste tem o maior número de indenizações pagas por acidentes envolvendo mulheres, com 27% do total de pagamentos por ocorrências com o sexo feminino. Na sequência, estão Sul e Sudeste com 26%, Norte (27%) e Nordeste (21%).

Em relação ao período do dia, o anoitecer foi responsável por cerca de 23% das ocorrências que tiveram benefícios pagos às vítimas do sexo feminino. Já a madrugada concentrou o menor número de sinistros, com apenas 9% dos pagamentos.

O superintendente de Operações da Seguradora Líder, Arthur Froes, explica que a companhia não apura as causas dos acidentes. No entanto, alguns estudos indicam que os índices de imprudência no trânsito são maiores entre o sexo masculino, como a desobediência às leis de trânsito, o desrespeito à sinalização e a falta dos equipamentos de segurança.

“As mulheres, além de serem mais cautelosas e pacientes, costumam estar mais atentas às normas. Quando são mães, o cuidado aumenta, principalmente em relação ao uso do cinto de segurança nas crianças e da cadeira infantil, e também no alerta aos filhos sobre o perigo da combinação álcool e direção”, ressalta Froes.